sábado, 29 de abril de 2017

Ultramar & Colonialismo - 'ANGOLA - NOTAS E COMENTÁRIOS', de Júlio Ferreira Pinto - Lisboa 1926 - MUITO RARO



Ultramar & Colonialismo - Análise sócio económica e colonial de Angola, dos seus habitantes portugueses e indígenas


'ANGOLA - NOTAS E COMENTÁRIOS'
De Júlio Ferreira Pinto
Prefácio de Ferreira do Amaral
Anotações de Veloso de Castro
Edição das Oficinas da Secção de Publicidade do Museu Comercial
Lisboa 1926


Livro com 594 páginas (558 + XXXVI) e em bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO RARO.


Do ÍNDICE:
- Explicações prévias;
- PREÂMBULO;

- O SR. NORTON DE MATOS - Alto-Comissário ou Governador-Geral;
- AUTONOMIA;
- CONSELHO LEGISLATIVO E EXECUTIVO;
- ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR;
- AUTONOMIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA. DESCENTRALIZAÇÃO;
- SERVIÇOS PÚBLICOS E SUA SIMPLIFICAÇÃO;
- SITUAÇÃO FINANCEIRA. Equilíbrio orçamental;
- MÃO-DE-OBRA INDÍGENA;
- COLONIZAÇÃO;
- CONCESSÕES DE TERRENOS;
- CONCESSÕES DE QUEDAS DE ÁGUA;
- PESQUISAS MINERAIS E REGISTOS DE PROPRIEDADES DE MINAS;
- EXCLUSIVOS OU MONOPÓLIOS;
- CAMINHOS DE FERRO;
- FORÇAS MILITARES;
- AVIAÇÃO;
- DEGREDADOS;
- MISSÕES RELIGIOSAS E LAICAS;
- INSTRUÇÃO PÚBLICA;
- REGIME BANCÁRIO;
- TRANSFERÊNCIAS;
- AGRICULTURA E PECUÁRIA;
- INDÚSTRIAS;
- COMÉRCIO. Sindicatos comerciais de exportação;
- NATIVISMO OU SEPARATISMO?;
- EDUCAÇÃO E CIVILIZAÇÃO DOS GENTIOS;
- ESTRADAS E PONTES;
- VELHOS SERTANEJOS E SOLDADOS DE ANGOLA;
- SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA;
- UMA ENTREVISTA E UM ARTIGO DO SR. NORTON DE MATOS;
- SR. ANTERO TAVARES DE CARVALHO;
- COUSAS VÁRIAS EM POUCAS PALAVRAS;



Preço: 120,00€;

África - Lote de 12 postais de animais selvagens (anos 70) - RAROS




África - Colecção de postais de animais selvagens dos anos setenta


Lote de 12 postais de animais selvagens (anos 70) - RAROS
Não circulados - Em muito bom estado de conservação - Excelentes.
'CECAMI' - Printed in Italy


LOTE DE 12 POSTAIS
01. - Girafas;
02. - Girafas;
03. - Leões;
04. - Leões;
05. - Macacos;
06. - Macacos;
07. - Zebra;
08. - Zebra;
09. - Leopardo;
10. - Leopardo;
11. - Rinoceronte;
12. - Elefante;


Preço: 36,00€; (Lote completo)

Ultramar & Colonialismo - 'ANGOLA, TERRA DE PORTUGAL', de Rodrigues Júnior - Lourenço Marques 1964 - MUITO RARO



Ultramar - Modernidade & Desenvolvimento - Uma resenha aprofundada das potencialidades económicas, históricas e populacionais desta antiga colónia portuguesa


'ANGOLA, TERRA DE PORTUGAL'
De Rodrigues Júnior
África Editora
Lourenço Marques 1964


Livro com 352 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Do ÍNDICE:
Dedicatória

- Palavras necessárias
- 'Havemos de saber merecer os mortos'
- Apontamentos de reportagem
- Primeiras impressões de Luanda
- De onde se fala de algumas riquezas de Angola
- Portugal gastou na Barragem de Cambambe mais de um milhão de contos
- A água é o elemento fertilizador por excelência
- As ruínas da Fortaleza de Cambambe
- N'Dalatando - a nova cidade de Salazar
- Angola - terra de bom trabalho
- Últimas imagens de Malange
- A caminha da terra planáltica do Bié
- A cidade de Silva Porto
- O bom povo de Nova Lisboa
- Huambo - é terra de promissão
- Nova Lisboa - a grande cidade-jardim do planalto
- Nova Lisboa e os seus valores de cultura
- O Distrito do Huambo
- Das abruptas serrarias do Lépi
- O Distrito de Benguela
- A cidade de S. Filipe de Benguela
- Últimas imagens de Benguela
- Os bairros populares do Morro de Quileva
- As maravilhosas terras da Huíla
- Huíla - terra de trabalho
- Os primeiros povoadores do sul de Angola
- A cidade-jardim de Sá da Bandeira
- Sobrevoando a cordilheira da Chela
- O deserto de Namibe
- Os valores de economia do distrito de Moçâmedes
- Porto Alexandre - Terra de pescadores
- O Distrito de Moçâmedes
- Últimas imagens de Moçâmedes
- Terras do Quanza-sul
- Aguarelas de Novo Redondo
- Produções e explorações de Angola
- O Mercado do Quinaxixe
- A diminuição das importações
- Reordenamento rural de Angola
- Cabo Verde e o reordenamento rural de Angola
- O Caracul na economia de Angola
- Porto, Caminhos de Ferro e Transportes
- O turismo de Angola
- O grande progresso de Angola e as realidades de Moçambique



Preço: 70,00€;

Guerra Colonial & Poesia - 'JURAMENTO DE BANDEIRA', de Anabel Paul - Porto 1970 - RARO



Guerra Colonial & Poesia - Uma preocupação social e política da juventude daquela época


'JURAMENTO DE BANDEIRA'
De Anabel Paul
Edição de autor
Tipografia do Carvalhido
Porto 1970


Livro com 58 páginas, ilustrado (Por Osolino Vaz, Joaquim de Almeida, Paulo Gama e Pedro Plaio) e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
RARO


Preço: 25,00€;

África & S. Tomé - 'ILHA VERDE', de Agostinho Gomes - Porto 1968 - Muito Raro



Ultramar & Poesia - O autor edita os seus poemas de louvor e saudade pelas ilhas do equador


'ILHA VERDE'
De Agostinho Gomes
Capa de Ilda Gomes
Edições NAU
Porto 1968


Livro com 68 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Muito Raro.


Preço: 17,50€;

Portugal & PREC - 'CARTILHA POLÍTICA DO POVO' - AAVV - Lisboa 1974 - RARO



Portugal 6 PREC - O significado político de palavras e expressões no período logo após a revolução de 25 de Abril de 1974


'CARTILHA POLÍTICA DO POVO'
AAVV - José Pires, Paulo da Trindade Ferreira, Maria Helena de Sá dias e Vítor Melícias Lopes
Editora O IMIGRANTE
Lisboa 1974


Livro com 104 páginas e em bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
RARO.


Do ÍNDICE:
- O POVO QUER SABER

A
- Activistas; - Agentes de Produção; - Amnistia; - Anarquismo; - Aristocracia; - Asilo político; - Assembleia Constituinte; - Assembleia Nacional; - Autarquia; - Autocracia; - Auto-determinação; - Autonomia; - Autoritário;

B
- Bolchevismo; - Burguesia;

C
- Caderno reivindicativo; - Campanha eleitoral; - Candidato; - Capitalismo; - Centro; - Classe; - Coligação (governo de); - Colónia; - Comunismo; - Concordata; - Confederação; - Conselho de Estado; - Conservador; - Constituição; - Corporativismo; - Cultura;

D
- Demagogia; - Democracia; - Direita (extrema-direita, ultra); - Dissolução; - Ditadura;

E
- Eleição (Eleitor, eleitorado); - Esquerda (extrema esquerda); - Extradição;

F
- Fascismo; - Federação; - Forças de produção;

G
- Gestão (auto-gestão, co-gestão); - Gestapo; - Golpe de Estado; - Governo; - Governo provisório; - Greve;

I
- Ideologia; - Imperialismo; - Independência; - Inflação;

L
- Lavagem ao cérebro; - Liberal; - Luta de Classes;

M
- Marxismo; - Meios de Comunicação; - Meios de Produção; - Moção (ponto de ordem); - Moderado; - Monopólio;

N
- Nação; - Nomeação;

O
- Objecção de consciência; - Objectividade; - Opinião Pública; - Opressão;

P
- Partido político; - Plebiscito; - Plutocracia; - Política; - Ponto de ordem; - Povo;Produção; - Programa político; - Progressista; - Proletário; - Promulgação; - Pronunciamento;

R
- Raça; - Radical; - Reaccionário; - Referendo; - Reforma Agrária; - Regime; - Revisionismo; - Revolução;

S
- Sindicatos; - Soberania; - Social Democracia; - Socialismo; - Sociedade de consumo; - Subdesenvolvimento; - Sufrágio;

T
- Tecnocracia; - Terceiro mundo; - Torcionários; - Totalitário; - Trotskista;

V
- Voto;



Preço: 15,00€;

sábado, 22 de abril de 2017

Moçambique & Descolonização - Disco vinil LP 'SAMORA MACHEL FALA À IMPRENSA MOÇAMBICANA' (7 de Junho de 1974) - MUITO RARO




Moçambique & Descolonização - Um documento histórico de grande raridade


Disco vinil LP 'SAMORA MACHEL FALA À IMPRENSA MOÇAMBICANA'
(7 de Junho de 1974)


De grande raridade e importância documental e histórica.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


LP - 'SAMORA MACHEL FALA À IMPRENSA MOÇAMBICANA' (1974)
Face 1: (20,42'')
- Canção popular de Moçambique;
- POEMA;
- Um Hino da FRELIMO;
- Alocução de Samora Machel;
- Conferência de imprensa em 7 de Junho de 1974;

Face 2: (20,09'')
- Continuação da conferência de imprensa;
- Um Hino da FRELIMO;


Da contra-capa:
"FRELIMO
1.º ENCONTRO COM A IMPRENSA MOÇAMBICANA EM 7 DE JUNHO DE 1974


Lusaka, 7 de Junho de 1974.

A state House da capital da Zâmbia ficará agora ligada à história
do nascimento de uma nova nação - Moçambique. É lá que se
desenrolam as negociações entre o governo português e a
FRELIMO, com vista ao reconhecimento, por parte de Portugal,
da independência de Moçambique.

Encerrada a primeira fase dessas negociações, que culminaram
uma luta armada, longa de 10 anos, SAMORA MACHEL encontra-se
pela primeira vez com a imprensa moçambicana, assim
finalmente guinada a legítimo porta-voz do seu povo.

Este disco é um testemunho desse encontro, que foi mais do
que uma conferência de imprensa. Que se transformou num
verdadeiro comício 'frelimista'. Aqui, neste disco, ficam palavras
que moveram a História. Aqui fica mensagem de SAMORA
MACHEL e do povo Moçambicano.


Agradecemos a colaboração do Ministério do Interior e Serviços de Informação da Zâmbia, programa 'VOZ DA FRELIMO' e Comités Central e Executivo da Frente de Libertação de Moçambique.

ESTÚDIO - SASSETTI
REPORTAGEM - Pedro Laranjeira
POEMA DITO POR - Barbara Skolimowska
SOM E MONTAGEM - Pedro Laranjeira
CAPA - Cipriano Dourado"


Preço: 200,00

Guerra colonial - 'SANGUE NO CAPIM (Cenas da guerra em Angola)' (OBRA COMPLETA), de Reis Ventura - Lisboa 1972 - MUITO RARO



Angola - A resistência da população civil às investidas dos terroristas e da guerrilha da UPA


'SANGUE NO CAPIM (Cenas da guerra em Angola)', de Reis Ventura
(OBRA COMPLETA)

De Reis Ventura
Editora PAX
Lisboa 1972


Livro com 332 páginas e em bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Da autoria de um dos escritores com maior projecção no panorama da literatura e reportagem em Angola na década de sessenta e setenta do século passado, e que mais escreveu de forma desassombrada sobre a guerra colonial.

Este livro teve inúmeras edições e esgotou consecutivamente, sendo hoje um dos livros mais procurados sobre a guerra em Angola.


'SANGUE NO CAPIM (Cenas da guerra em Angola)', de Reis Ventura - Editora Pax - Lisboa 1972
(OBRA COMPLETA)


Do ÍNDICE:

1.º Volume
- Dedicatória:
- PREFÁCIO - João Falcato;
- INTRODUÇÃO;
1. - A SENTINELA
I - Planos de bandidos; II - Diálogo na noite; III - Um 'jeep' através da cidade; - IV - Lágrimas que ninguém viu;
2. - O ALFERES
I - Manhãs das catanas sangrentas; II - Leões feridos; III - A horrível peregrinação; IV - Os fugitivos; V - "Mussiú ! Mussiú !"; VI - O velho e o revólver; VII - A morte de um bravo; VIII - Palavras enigmáticas;
3. - O DRAMA DO VELHO CAFAIA
4. - SOLDADOS
5. - RONDAS DA MILÍCIA
I - Preito de justiça; II - Digressão pelo Mato; III - O ataque; IV - Uma frase infeliz; V - O heroísmo estar "estar lá";
6. - HOMENS COM ASAS
I - No aeroporto de Luanda; II - O "Auster" que não voltou; III - Em socorro de Sanza Pombo; IV - Para além das inscrições; V - Vitória da esperança; VI - Mergulho para a morte; VII - Os "Homens capim" caem do céu;
7. - CONVERSA NO ALTO DA SERRA
8. - NATAL AMARGO
9. - A BANDEIRA

2.º Volume
1. - OS OITO DA CANANGA;
2. - UM PAR DE VALENTES;
3. - A DEFESA DA RUA;
4. - SANTA CRUZ DE MACOCOLA;
5. - MÃE PRETA;
6. - MARINHEIROS;
7. - O MÉDICO;
8. - EMBOSCADAS;
9. - POSTO DE FRONTEIRA;


Da contra-capa:
"A obra de Reis Ventura é extensa. E volumosa. Dois são os motivos: a sua qualidade e a qualidade dos seus temas.
Poeta, Reis Ventura faz-se prosador por amor de Angola. A província maravilhosa entrou então na obra do escritor numa multiplicidade de assuntos, ricos e aliciantes.
A galeria dos seus romances é-o igualmente das mais dramáticas figuras de Angola. Inesquecível esse Cafuso do romance do mesmo nome.
Os ensaios são outras tantas defesas do progresso e dos interesses da província... e sempre que volta aos versos, Angola está presente em Reis Ventura. Culminando, a Angola trágica de 'Sangue no Capim'."



Preço: 120,00€;

Guiné-Bissau & Guerra Colonial - 'AMÍLCAR CABRAL', de Oleg Ignátiev - Moscovo 1990 - Muito raro



Guiné-Bissau & Guerra Colonial - Uma biografia da autoria de um jornalista soviético que acompanhou Amílcar Cabral por diversas vezes


'AMÍLCAR CABRAL'
De Oleg Ignátiev
Edição da Agência de Imprensa Nóvosti
Moscovo 1990


Livro com 72 páginas, muito ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Muito raro.


Esta obra, da autoria de Oleg Ignátiev, jornalista soviético que acompanhou Amílcar Cabral por diversas vezes em fóruns internacionais e nas zonas sob domínio do PAIGC em reportagens para a imprensa da ex-URSS, relata a vida, obra e actividade de Amílcar Cabral nas mais diversas facetas do político e guerrilheiro guineense.

Uma das obras mais interessante sobre a figura do líder e fundador do PAIGC, assassinado a 20 de Janeiro de 1973, em Conakry, por um grupo de membros do próprio partido em circunstâncias ainda hoje pouco claras nomeadamente os cérebros por trás da conspiração.


Do ÍNDICE:
- Homenagem a um amigo;
- "Que o teu filho viva amanhã no mundo dos teus sonhos";
- Dia da fundação: 19 de Setembro de 1956;
- A tragédia em Pigiguiti;
- O Partido muda de táctica;
- Antes do início da luta armada;
- O Congresso de Cassaca;
- Ofensiva em todas as frentes;
- O juramento de Cabral;



AMÍLCAR CABRAL - Biografia:
"Filho de Juvenal Lopes Cabral (cabo-verdiano) e de Iva Pinhel Évora (guineense de ascêndencia caboverdiana), aos oito anos de idade, sua família mudou-se para Cabo Verde, estabelecendo-se em Santa Catarina (ilha de Santiago), que passou a ser a cidade de sua infância, onde completou o ensino primário. De seguida mudou com a mãe os irmãos para Mindelo, São Vicente, onde veio a terminar o curso liceal em 1943. Como apontado por Patrícia Villen[2], sua adolescência remete a um período de intensa seca e fome na ilha, nos ano 40, por exemplo, essa crise provocou a morte de 50 mil pessoas, além da imigração em massa de cabo-verdianos. No ano seguinte, mudou-se para a cidade de Praia, na Ilha de Santiago, e começou a trabalhar na Imprensa Nacional, mas só por um ano pois, tendo conseguido uma bolsa de estudos, no ano de 1945 ingressou no Instituto Superior de Agronomia, em Lisboa. Único estudante negro de sua turma, Cabral logo se envolve em reuniões de grupos antifascistas e, ao lado de outros alunos vindos da África, tais como Mário de Andrade, Agostinho Neto e Marcelino dos Santos "conhece vectores culturais da re-africanização dos espíritos do movimento da negritude dirigido por Léopold Sédar Senghor". Após graduar-se em 1950, trabalhou por dois anos na Estação Agronómica de Santarém.

Contratado pelo Ministério do Ultramar como adjunto dos Serviços Agrícolas e Florestais da Guiné, regressou a Bissau em 1952. Iniciou seu trabalho na granja experimental de Pessube percorrendo grande parte do país, de porta em porta, durante o Recenseamento Agrícola de 1953 adquirindo um conhecimento profundo da realidade social vigente. Suas atividades políticas, como a criação da primeira a Associação Esportiva, Recreativa e Cultural da Guiné, aberta tanto aos "assimilados" quanto aos indígenas, reservam-lhe a antipatia do Governador da colônia, Melo e Alvim, que o obriga a emigrar para Angola. Nesse país, une-se ao MPLA.

EM 1955 Cabral participa da Conferência de Bandung e toma conhecimento da questão afro-asiática. Em 1959 juntamente com Aristides Pereira, seu irmão Luís Cabral, Fernando Fortes, Júlio de Almeida e Elisée Turpin, funda o partido clandestino Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). Em 3 de agosto de 1959, o partido teve participação na greve de trabalhadores do porto de Pidjiguiti, fortemente reprimida pelo governo colonial, resultando na morte de 50 manifestantes e no ferimento de outras centenas. Quatro anos mais tarde, o PAIGC sai da clandestinidade ao estabelecer uma delegação na cidade de Conacri, capital da República de Guiné-Cronacri. Em 23 de janeiro de 1963 tem início a luta armada contra a metrópole colonialista, com o ataque ao quartel de Tite, no sul da Guiné-Bissau, a partir de bases na Guiné-Conacri.

Em 1970, Amílcar Cabral, fazendo-se acompanhar de Agostinho Neto e Marcelino dos Santos, é recebido pelo Papa Paulo VI em audiência privada. Em 21 de novembro do mesmo ano, o Governador português da Guiné-Bissau determina o início da Operação Mar Verde, com a finalidade de capturar ou mesmo eliminar os líderes do PAIGC, então aquartelados em Conacri. A operação não teve sucesso.

Em 20 de janeiro de 1973, Amílcar Cabral é assassinado em Conacri, por dois membros de seu próprio partido. Amílcar Cabral profetizara seu fim, ao afirmar: "Se alguém me há de fazer mal, é quem está aqui entre nós. Ninguém mais pode estragar o PAIGC, só nós próprios." Aristides Pereira, substituiu-o na chefia do PAIGC. Após a morte de Cabral a luta armada se intensifica e a independência de Guiné-Bissau é proclamada unilateralmente em 24 de Setembro de 1973. Seu meio-irmão, Luís de Almeida Cabral, é nomeado o primeiro presidente do país."

In: https://pt.wikipedia.org/wiki/Am%C3%ADlcar_Cabral


Preço: 50,00€;

Angola & Descolonização - Lote de 4 artigos do MPLA & OMA - MUITO RAROS



Angola & Descolonização - Artigos de 1975, de grande raridade e valor histórico


Lote de 4 artigos do MPLA & OMA
Em muito bom estado de conservação.
Produzidos em 1975.



De muito, muito difícil localização.
MUITO RAROS


LOTE DE 4 ARTIGOS DO MPLA & OMA:
1. - Crachat do MPLA;
2. - Alfinete do MPLA;
3. - Crhachat da OMA em metal;
4. - Crachat da ONA em plástico
.


Preço: 100,00€; (Lote completo)
Nota: Poderemos vender em separado algum dos artigos,
caso tenhamos outro repetido.
Contactar sff via e-mail ou telemóvel.

Guerra Colonial - 'HISTÓRIAS DA GUERRA (Angola 62-64)', de José Pereira da Cruz - Lisboa 2004 - RARO



Guerra Colonial - Memórias de um Batalhão de Cavalaria saído de Estremoz para os primeiros anos da guerra em Angola


'HISTÓRIAS DA GUERRA (Angola 62-64)'
De José Pereira da Cruz
Edição de autor
Lisboa 2004


Livro com 272 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização. Com pequena edição de 400 exemplares.
RARO


Do ÍNDICE:
I. - INTRODUÇÃO;
II. - MOBILIZAÇÃO;
III. - EMBARQUE;
IV. - VIAGEM;
V. - ESTADA EM LUANDA;
VI. - AQUARTELAMENTO NA Z.I.N.:
a). - Localização do Comando;
b). - Localização da Companhia 001;
c). - Localização da Companhia 002;
d.) - Localização da Companhia 003;
VII. - CONJUNTURA EMOCIONAL:
a). - Despedida do Comandante-Chefe;
b). - Férias;
c). - Morte do Comandante;
d). - Saúde;
e). - Feridos;
f). - Baixas;
VIII. - ACTIVIDADE OPERACIONAL:
A. - Cenários de guerra;
A.1. - Actividade operacional da Companhia 001;
A.2. - Actividade operacional da Companhia 002;
A.3. - Actividade operacional da Companhia 003;
A.4. - Actividade operacional da C.C.S.;
IX. - TRANSFERÊNCIA DO BATALHÃO PARA SUL:
a). - Estada em Novo Redondo;
b). - Estada na Cela;
c). - Estada na Gabela;
d). - Estada em Portugália;
X. - O ADEUS A ÁFRICA;
XI. - VIAGEM DE REGRESSO;
XII. - O 10 DE JUNHO;

- PALAVRAS FINAIS;
- BIBLIOGRAFIA;



Preço: 0,00€; (Indisponível)

Portugal - Lote de 3 postais P/B de Conímbriga - Anos sessenta - MUITO RAROS



Portugal - A presença romana imortalizada na cidade de Conímbriga e retratada nestes postais


Lote de 3 postais P-B de Conímbriga - Anos sessenta.
Em muito bom estado de conservação. Excelentes.
Não circulados.

De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RAROS.


LOTE DE 3 POSTAIS A P/B - Fotografias.
1. - CONÍMBRIGA - Ruínas romanas (mosaico);
2. - CONÍMBRIFA - Ruínasw romanas;
3. - CONÍMBRIGA - Ruínas romanas (mosaico);



Preço: 17,50€;

Portugal - Lote de 10 postais a cores de Conímbriga - Anos oitenta - RAROS



Portugal - A presença romana imortalizada na cidade de Conímbriga e retratada nesta postais


Lote de 10 postais a cores de Conímbriga - Anos oitenta.
Em muito bom estado de conservação. Excelentes.
Não circulados.


De muito difícil localização.
RAROS.


LOTE DE 10 POSTAIS A CORES DE CONÍMBRIGA:
1. - Casa dos Repuxos (séc 3 d.c.);

Edição Museu Monográfico de Conímbriga.
2. - Casa dos Repuxos (séc 3 d.c.);
Edição Portugal Turístico.
3. - Casa dos Repuxos e troço da via romana;
Edição Museu Monográfico de Conímbriga.
4. - Banhos privativos; hipocausto;
Edição Museu Monográfico de Conímbriga.
5. - Ruínas romanas, vista geral;
Edição 'Centro de Caridade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro' - Porto.
6. - Aqueduto, pormenor;
Edição Museu Monográfico de Conímbriga.
7. - Casa dos Repuxos (séc 3 d.c.);
Edição Museu Monográfico de Conímbriga.
8. - Peristilo - Pormenor do mosaico (séc 3 d.c.);
Edição Museu Monográfico de Conímbriga.
9. - Casa dos repuxos. Mosaico do Acteon (séc 3 d.c.);
Edição Museu Monográfico de Conímbriga.
10. - Moisaco do velho sileno - pormenor;
Edição Museu Monográfico de Conímbriga.


Preço: 30,00€ (Lote completo)

Angola & Literatura - 'A RENÚNCIA IMPOSSÍVEL - Poemas inéditos', de Agostinho Neto - Luanda 1985 - RARO



Angola & Literatura - Selecção dos mais conhecidos e referenciados poemas deste político angolano


'A RENÚNCIA IMPOSSÍVEL - POEMAS INÉDITOS'
De Agostinho Neto (Selecção de Maria Eugénia Neto e Dário de Melo)
Colaboração de Antero de Abreu
Edição INALD (Instituto Nacional do Livro e do Disco)
Impressão em Havana - Cuba.
Luanda 1985


Livro com 100 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
RARO.


Da contra-capa:
"Inéditos de um poeta que é, simultaneamente, memória ainda recente e sempre viva de um homem público de valor e génio reconhecidos não necessitam de razões para serem publicados.

São, a um tempo, se espólio literário (páginas de estudo, de deleite e interesse de todos nós documentos históricos e de história de quem neste país e continente deixou pedras colocadas 'nos alicerces do mundo'."



Do ÍNDICE:
- Justificação (INALD);

- ÓPIO;
- EU - MISTÉRIO;
- ANESTESIA;
- EXPLICAÇÃO;
- VOZ DE SANGUE;
- PASSEI A VIDA...;
- SINTO NA MINHA VOZ...;
- NOVO RUMO;
- POEMA PARA TODOS;
- VENDEDEIRA DE ANANASES;
- CIRCUNSTÂNCIA;
- NAS CURTAS HORAS;
- COM OS OLHOS SECOS;
- A RENÚNCIA IMPOSSÍVEL - Negação;



Preço: 27,50€;

Angola & Literatura - 'CINCO VEZES ONZE (Poemas de Novembro)', de Manuel Rui - Lisboa 1985 - RARO



Angola & Literatura - A poesia revolucionária e histórica de um dos mais consagrados poetas angolanos


'CINCO VEZES ONZE (Poemas de Novembro)'
De Manuel Rui
Edição da União dos Escritores Angolanos
Lisboa 1985


Livro com 160 páginas e em muito bom estado de conservação.
De difícil localização.
RARO.


Da contra-capa:
"Durante cinco anos, de 1976 a 1980, sempre em Novembro, Manuel Rui publicou anualmente onze poemas que constítuiram os n.ºs 1, 4, 10, 25 e 30 dos 'Cadernos Lavra & Ofícios' editados pela União dos Escritores Angolanos.

Cinco pequenos livros de grande valor 'em que a Poesia assume a imagem espiral num crescendo de música, raiva, palavra e voz colectiva', todos eles integrados num projecto: 0 'da elaboração de um discurso municiado na revolução'.

'Projecto em letra de chão sem lápis nem caneta, parte integrante de outro mais amplo projecto emergente da luta de libertação nacional, de criação do homem novo, intérprete dinâmico da sua própria história'.

Todos os anos em Novembro, onze poemas 'para homenagem a uma luta de libertação. Para honra de um povo que permitiu, pela liberdade conquistada na dor e luta, a alegria do acto consciente de criar'."



Do ÍNDICE:
- MANHÃ DE ONZE DE NOVEMBRO
- Leitura primeira; - Leitura segunda; - Leitura terceira; - Leitura quarta;
- Sobre a manhã;
- O cacto; - Ideia para casa; - Jacarandá roxo; - Maré baixa;
- Invencível;
- MEMÓRIA
- Primeira; - Segunda; - Terceira; - Quarta;
- BANDEIRA
- Bandeira; - Dois anos; - Bandeira - leitura segunda;
- PRAÇA DE MAIO
- Praça de Maio; - Dois poemas para a mesma praça;
- SETEMBRO
- Setembro; - Lágrima; - Presente !;
- VERSO NOVO
- Poesia necessária; - Mercado; - Novo golfe; - O mar; - Etapa de poema; - Hábito surreal;
- KARKAMANOS
- Karkamanos do catano; - Entre o velho e o novo; - Em Porto Amboim os canos; - Mirage;
- CARNAVAL
- Menino carnaval; - Maria do blindado; - Epitáfio como ladainha; - Esse lenço azul e branco;
- MAR
- Mar novo; - Como se o mar; - Sempre mar;
- CHÃO
- Em Julho no Lubango; - Chuva; - Kalandula; - Fronteira sul;
- SOBRE
- Sobre; - Quem; - Das sombras; - O búzio;
- ADEUS
- O sonho; - Elegia fúnebre;
- AMAR
- Exercício nocturno; - Trazias tanto mar na pele dos dedos; - Para depois; - Amor; - Pausa; - Mais;



Preço: 25,00€;

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Fotografia - 25 de Abril & Revolução - 'PORTUGAL - UM ANO DE REVOLUÇÃO, 1974-1975' - Damaia 1975 - MUITO RARO



25 de Abril & Revolução - As imagens da revolução no seu primeiro ano após o derrube do regime ditatorial liderado por Marcelo Caetano


'PORTUGAL - UM ANO DE REVOLUÇÃO, 1974-1975'
Nota de Abertura de José Saramago (Prémio Nobel da Literatura)
Damaia 1975


Livro de grandes dimensões (68x 48 cm)com 100 páginas, muito ilustrado (cerca de 150 fotografias) e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


A PHOTOBOOK ABOUT THE PORTUGUESE REVOLUTION.

Fotografias de alguns dos mais consagrados foto-jornalistas portugueses.


Reprodução de fotografias que fizeram parte de um Exposição itinerante, inaugurada na Galeria de Arte Moderna em Lisboa em 26 de Abril de 1975, com coordenação de Espiga Pinto e Rogério Ribeiro. Nota de abertura de José Saramago.

As fotografias incidem sobre o processo revolucionário português e da transição democrática portuguesa, do 25 de Abril de 1974 aos acontecimentos posteriores do período que ficou conhecido como PREC (Processo Revolucionário em Curso).


Fotografias de:
- Albano Pereira
- Alfredo cunha
- Álvaro Tavares
- António Froufe
- António Xavier
- Carlos Gil
- Eurico Vasconcelos
- Henrique Ruivo
- Inácio Ludjero
- João Freire
- José Antunes
- José Carlos Pereira
- José Tavares
- José Teixeira
- Nuno Calvet
- Rui Martins
- Victor Lopes dos Santos
- Walter Gomes



Do ÍNDICE:
- 'PARA COLHER UM CRAVO, DESFOLHOU O NOSSO POVO OS PÉS NOS TOJOS E NOS CARDOS' - Mário Castrim
ABERTURA - José Saramago Prémio Nobel da Literatura
- MFA POVO - POVO MFA
Ramiro Correia (1.º Tenente)
- UM ANO DE REVOLUÇÃO
E ESTES HOMENS QUE NÃO SÃO HOMENS MAS O FEL E A VERGONHA DOS HOMENS
José Carlos Vasconcelos
- 48 ANOS DE FASCISMO - 48 ANOS DE RESISTÊNCIA ANTI-FASCISTA
- 25 DE ABRIL DE 1974 - MADRUGADA DA LIBERDADE
- LUTA ARMADA
- DESCOLONIZAÇÃO
República da Guiné-Bissau
Angola
Moçambique
- LIBERDADE DE REUNIÃO E DE ASSOCIAÇÃO
- ORGANIZAÇÃO SINDICAL
- LIBERDADE DE EXPRESSÃO E PENSAMENTO
- DINAMIZAÇÃO CULTURAL E ESCLARECIMENTO CÍVICO
- ELEIÇÕES PARA A ASSEMBLEIA CONSTITUINTE (25 de Abril de 1975)
- UNICIDADE SINDICAL
Sabotagem económica
Luta anti-latifundiária
Luta anti-monopolista
Medicina ao serviço do Povo
- NACIONALIZAÇÃO DA BANCA - PARA O POVO O DINHEIRO DO POVO
- ETAPAS DE UM ANO DE REVOLUÇÃO
- O POVO EM LIBERDADE - 1.º de Maio de 1974
- JORNADA DE SOLIDARIEDADE COM O MFA - 10 de Junho de 1974
- FIM DA GUERRA COLONIAL - Manifestação a 29 de Julho
- MANIFESTAÇÃO DOS EMIGRANTES (Apoio ao MFA) - 11 de Agosto de 1974
- DIA DE TRABALHO NACIONAL - 6 de Outubro de 1974
- PORTUGAL NA ONU
- OPERAÇÃO NORTADA
Início da dinamização cultural
- INÍCIO DA CAMPANHA ELEITORAL - 2 de Abril de 1975



Preço: 275,00€;